Você sabia que existe mais de 1,3 milhão de pessoas com solicitações de benefícios parado?

A Reforma da Previdência já está em vigor e com ela houve a aplicação de uma nova ótica previdenciária no nosso País, a qual além de gerar muitas dúvidas e receios (por parte dos segurados e futuros segurados), também tem gerado um atraso na concessão de inúmeros pedidos de benefícios previdenciários perante o INSS.


Diante da situação previdenciária caótica que estamos vivendo, podemos perceber que o Governo está com dificuldades para aplicação das mudanças e novas normas impostas pela Reforma da Previdência. Tanto isso é verdade, que estamos, nitidamente, vivenciando a demora da concessão de direitos sociais àqueles que mais necessitam.


É visível que a necessidade de adaptação do sistema do INSS - Instituto Nacional do Seguro Social as novas regras da Emenda Constitucional nº 103/2019, somada a falta de pessoal no quadro de servidores, tem gerado atrasos nas análises bem superior aos 45 dias previsto em Lei (art. 174 do Decreto 3.048/99).


Nesse contexto, para tentar reverter tal situação, foi anunciada nesta semana a mais nova medida do Governo Federal, tendo o secretário especial de Previdência e Trabalho, o Sr. Rogério Marinho, informado a convocação de 7.000 militares da reserva para reforçar o atendimento no INSS.

Desde então, tal atitude gerou grande comoção popular, uns apoiando a medida tomada, e outros, criticando e exigindo a abertura de um novo concurso para preencher as inúmeras vagas existentes nas Agências do INSS.

Cabe ressaltar, que o secretário também afirmou que nenhum reservista será obrigado a participar dessa medida, porém, os que se voluntariarem, irão participar de um processo seletivo e após a aprovação, passarão por um treinamento nos meses de fevereiro e março, iniciando suas atividades somente no mês de abril. Ainda, segundo o secretário, os militares que se voluntariarem terão um acréscimo de 30% em seus salários, gerando essas novas contratações um custo mensal de R$ 14,5 milhões aos cofres públicos, durante a vigência do contrato, o qual se estima ser até agosto do presente ano.


Diante desse contexto, vejo que devemos pensar sobre o que está acontecendo e sim formar uma opinião a respeito, pois se analisarmos essa triste realidade previdenciária iremos perceber que as pessoas que estão sendo prejudicadas, são as que mais necessitam de ajuda.


O consenso existe, algo imediato deve ser feito para reverter essa situação. Porém, será que essa medida realmente surtirá efeitos? Ou será mera ficção protelatória?


Enfim, será que podemos acreditar que em pouco tempo teremos um sistema previdenciário realmente eficaz e célebre? Deixem nos comentários o que vocês acham dessa medida!


Texto: Ana Lisiane Barreto/ Escritório KCBC

Foto: Imagem ilustrativa

160 visualizações

© Copyright 2019 Sentinela 24h. Desenvolvido por Gath Soluções