Embargo dos EUA ao petróleo russo faz preços dispararem e agita bolsas no mundo



Os preços do petróleo registram alta nesta terça-feira (8), após a proibição nos Estados Unidos das importações de petróleo russo, uma decisão que também fez o níquel subir a seu máximo histórico e agitou as bolsas de valores.


Apesar de se manter abaixo do máximo de ontem, quando chegou a 139,13 dólares por barril, o Brent, a principal referência internacional, registrava alta em torno de 6%, cotado a 130 dólares, por volta das 15h40 de hoje (horário de Brasília).


Por sua vez, o barril de referência nos Estados Unidos, o WTI, também era cotado em alta de 6%, a cerca de 126 dólares o barril.


O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou nesta terça-feira a proibição das importações americanas de petróleo russo, enquanto o Reino Unido assinalou que vai eliminá-las gradualmente até o final do ano.


Já os países da União Europeia, que recebem da Rússia aproximadamente 40% de suas importações de gás e um quarto das de petróleo, optaram por fixar a meta de reduzir em dois terços suas importações de gás russo.


Moscou, por outro lado, advertiu que, em represália pelas sanções após a invasão da Ucrânia, poderia cortar o fornecimento de gás natural à Europa através do gasoduto Nord Stream 1.


Mesmo que os Estados Unidos não importem grandes quantidades de petróleo russo, os analistas acreditam que a medida é importante porque supõe o "lançamento de una guerra econômica total contra a Rússia" por parte de Washington, segundo Fawad Razaqzada, da consultoria ThinkMarkets.


"Haverá consequências: preços altos de gás, ainda mais inflação e represálias da Rússia", garantiu.


Para Craig Erlam, da corretora OANDA, "é mais um passo para que o Ocidente dê as costas para a Rússia e a deixe isolada no mundo".


O aumento dos preços do petróleo freou a retomada das bolsas na Europa e nos Estados Unidos.


Enquanto Londres conseguiu subir 0,1%, Frankfurt terminou a jornada estável e Paris registrou queda de 0,32%. Já em Madri, o Ibex-35 fechou positivo (+1,82%), em uma sessão marcada pela volatilidade.


Já em Wall Street, o Dow Jones Industrial apresentava estabilidade na tarde de hoje, após operar em baixa pela manhã.


Os preços das matérias primas também sentiram os efeitos do crescente isolamento da Rússia e a Bolsa de Metais de Londres suspendeu o comércio de níquel depois que o metal - utilizado para fabricar aço inoxidável e baterias para veículos elétricos - disparou até atingir o recorde de 101.365 dólares por tonelada, em meio a temores pelo fornecimento russo.


"A Rússia é um dos principais exportadores mundiais desta matéria-prima e, com a possibilidade de [Moscou] impor sanções aos países ocidentais, o mercado poderia sofrer uma importante crise de fornecimento no curto prazo, o que poderia dar lugar a novos aumentos de preços até que a situação se estabilize", disse Walid Koudmani, analista-chefe de mercado da plataforma de comércio online xtb.


Fonte: Correio do Povo


148 visualizações0 comentário