Dois diretores da Santa Casa de Bagé estão com coronavírus, e há outros 18 casos suspeitos

Maior cidade da região da Campanha, com 120 mil habitantes, Bagé enfrenta um drama singular no enfrentamento à epidemia de covid-19: os dois primeiros casos confirmados da doença atingiram a direção da Santa Casa de Caridade, principal hospital do município. Há pelo menos outros 18 casos suspeitos, muitos deles médicos e funcionários da instituição. Cerca de 200 pessoas estão em isolamento domiciliar.


A suspeita de que o coronavírus possa ter se disseminado a partir da comunidade sanitária assusta a população e mobiliza as autoridades. O provedor da instituição, o médico ortopedista Jorge Moussa, está internado em Porto Alegre, em estado estável, e o diretor-administrativo, Raul Vallandro, está em casa, sob quarentena.


Paciente número zero do surto na cidade, Moussa estava no Rio de Janeiro, em férias, e retornou a Bagé há três semanas. Principal referência na saúde local, logo se uniu à força-tarefa criada para combater a doença. Por conta da atividade, manteve encontros com técnicos, políticos e outros profissionais de saúde. Na Santa Casa, coordenou uma reunião com todos os funcionários.

Ao apresentar os primeiros sintomas, foi atendido no Pronto-Socorro e logo internado na UTI. A pedido da família, na quinta-feira (19) foi transferido para Porto Alegre. Desde que surgiram as suspeitas de que estava infectado com o coronavírus, a prefeitura passou a mapear todas as pessoas que mantiveram contato com ele. Quase todas já estão sendo monitoradas - 80 na comunidade médica (50 na Santa Casa e outros 30 na 7ª Coordenadoria Regional de Saúde).


Para tentar frear a proliferação da doença, o prefeito Divaldo Lara (PTB) emitiu um dos decretos de calamidade pública mais severos do Estado. Praticamente todos os estabelecimentos comerciais foram obrigados  a fechar as portas. Só é permitido o funcionamento de farmácias, supermercados, postos de gasolina e agências bancárias. Bares e restaurantes estão limitados a operar com tele-entregas e as clínicas de saúde podem ter funcionários e equipamentos requisitados.


Estamos na segunda etapa do nosso plano de contingência. Se alcançarmos 10 casos confirmados, vamos aumentar as restrições — salienta o prefeito.


Fonte: Gaúcha ZH

Foto: Roberta Mércio | Grupo RBS


561 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo