Com superlotação, Santa Casa de Livramento usa pronto-socorro para internar pacientes intubados

A Santa Casa de Misericórdia, em Santana do Livramento, na Fronteira do Rio Grande do Sul, está operando superlotada desde o começo de março devido à demanda de pacientes infectados pela Covid-19. Por esse motivo, as intubações de casos graves da doença estão sendo feitas no pronto-socorro.


"É um local que não é apropriado e isso tudo é consequência de uma situação grave, delicada, que se impõe sobre a rotina do hospital", diz a gestora da Santa Casa, Leda Marisa.

A direção adaptou a estrutura interna do hospital, criando uma "ala Covid" maior, com capacidade para atender melhor os pacientes que precisam de internação em leitos clínicos ou em leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). No entanto, o aumento no número de casos graves extrapolou.

Segundo Leda Marisa, na segunda-feira (12), três pacientes foram intubados no pronto-socorro. Eles foram mantidos no local até que as vagas apropriadas fossem viabilizadas.

O hospital tem capacidade para atender 24 pacientes em leitos clínicos, no entanto, 30 pessoas recebem atendimento atualmente, sendo a taxa de ocupação de 125%. Quanto aos leitos de UTI, de 10, oito estão ocupados.

Além da superlotação, o hospital tem enfrentado dificuldade para adquirir medicamentos para tratar os pacientes. Relaxantes e sedativos para intubação estão em falta. Segundo a provedoria da instituição, a falta se dá pela escassez dos medicamentos no mercado em geral e por conta da alta dos preços em consequência disso. A situação é crítica ao ponto de o hospital ter feito um empréstimo com um hospital de Rivera, cidade uruguaia vizinha de Santana do Livramento, no mês de março.


Fonte: G1/RS

Foto: Sentinela24h

629 visualizações0 comentário