Chantagem, frustração e "vem de anos"; Prefeita anuncia Decreto de Emergencia na saúde

Após negociação sem resultados positivos entre Executivo e médicos da Santa Casa, pois os profissionais estavam, segundo a Prefeita, sem o salário de abril e maio em atraso, além de junho ainda não estar fechado, os mesmos começaram a parar na madrugada deste dia 21 de julho.


Em coletiva de imprensa que esta na integra, no Facebook do Sentinela 24H, a mandatária explicou os pontos e as decisões antes e pós parada dos médicos cirurgiões. Separamos pontos da coletiva de relevância, para você entender mais sobre o caso.


Em primeiro lugar, a Prefeita Ana Tarouco afirma que o SIMERS veio a público com a decisão tomada antes do prazo legal, falando que não havia aceitado a proposta e fizeram uma contraproposta, não aceita pelo executivo. Quanto a estas reuniões, houve a presença do MP, no qual Ana diz que consta em ata que eles deixaram aberta negociações de dívidas anteriores. "Como interventora da Santa Casa, nos sentimentos constrangidos com a decisão do SIMERS, pois o serviço do hospital é essencial para sobrevivência da população, além disso, forçar a Santa Casa a reconhecer um débito que se quer sabe se existe, nos frustra e também falo como polícia, porque sei que é uma área que não pode parar". destacou.


Em um segundo momento, Tarouco salientou sobre a necessidade de novos profissionais, "analisamos todos os casos, até mesmo por ter profissionais dos dois lados da Fronteira, até porque sabemos que há uma resistência. Estamos neste momento e desde a meia noite de ontem em um Decreto de Emergência e buscamos suporte para situações como remoção de pacientes", explicou.


A Prefeita também expôs o desejo de tranquilizar a população, "quero tranquilizar, dizer que a Santa Casa não fecha,. excelentes profissionais de todas as áreas, técnicos, enfermeiros e médicos, que ainda existem muitos ainda trabalhando para garantir a saúde da população Santanense. O que não temos nesse período de diálogo são algumas especialidades, mas não podemos aceitar sermos chantageados e constrangidos por dívidas que não sabemos se existe e que não há recursos", acrescentou.


Questionada sobre as dívidas passadas, a Prefeita em conjunto com a Diretora da Santa Casa, Leda Marisa, afirmaram, "não podemos negociar dívidas passadas se temos dificuldades de arcar com fornecedores atuais, como de oxigênio".


Para concluir, Ana Tarouco disse que a solução do problemas que a muitos anos passa o hospital, passa além da Prefeitura e Santa Casa, mas do Estado e da União saber e cumprir com suas responsabilidades com o hospital. "Desde a demanda até a inflação fez com que não conseguíssemos cumprir, mantivemos nossa palavra até o mês que não foi possível mais manter, no caso maio. A palavra do Executivo e da Santa Casa desde o primeiro dia de contato com os médicos".


Foto: Lucas Bichinque | Sentinela 24H


714 visualizações0 comentário