Bibo Nunes voltará à Câmara após indeferimento de candidatura de deputado eleito



Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiram, em sessão plenária de nesta terça-feira (25/10), o registro de candidatura a deputado federal de Marlon Santos (PL-RS), impugnado em função da existência de condenações a oito anos de inelegibilidade por improbidade administrativa. O Podemos chegou a tentar participar da ação durante o julgamento, com a intenção de anular os votos de Santos, numa tentativa de angariar a vaga do deputado. O pedido foi negado.


O parlamentar teve candidatura cassada e, apesar de reeleito em 2 de outubro, não assumirá a cadeira na Câmara dos Deputados. Após o julgamento foi decidido que assumirá, neste caso, o próximo candidato da lista do respectivo partido — o atual deputado Bibo Nunes (PL-RS), recentemente protagonista de falas polêmicas relacionadas a estudantes de universidades públicas.


Segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), Santos teria participado de um esquema conhecido como “rachadinha”, no qual embolsava parte dos salários de servidores nomeados por ele. Marlon Santos recebeu 85.911 votos. Bibo Nunes contabilizou 76.521 votos.


Santos anuncio pelas redes sociais que fará live, na quarta-feira (26), sobre a cassação da candidatura. "Tenha foco e não desista nunca; se determine; busque o conhecimento, se objetiva, levanta a cabeça e vai", escreveu.


Polêmica


Recentemente, Bibo Nunes foi alvo de críticas após dizer que estudantes das universidades federais de Santa Maria (UFSM) e de Pelotas (UFPel) mereciam ser queimados vivos. O vídeo foi gravado pelo próprio deputado, com o objetivo de criticar protestos dos estudantes contra o corte de verbas nas instituições de ensino superior por parte do governo. O deputado também criticou os alunos por atos em protesto ao presidente Jair Bolsonaro (PL).


Nunes afirma na postagem que alunos são inúteis, lixo, escória e "débeis mentais". O comentário sobre o desejo de os universitários serem "queimados vivos" foi alvo de críticas por internautas, entre outros motivos, pelo fato da cidade de Santa Maria ter em sua história o incêndio na boate Kiss, tragédia que matou 242 pessoas e feriu 636 outras em 2013.


No domingo (23/10), Bibo foi às redes sociais pedir desculpas pela fala: “Errar é humano! Depois de uma mãe me relatar as perseguições contra sua filha na Universidade, porque era Bolsonarista fiquei muito irritado e fiz um vídeo, onde perdi o controle emocional. Jamais vou querer que alguém seja queimado vivo. Peço desculpas a todos, pela insensatez”, escreveu.


Fonte: Correio Braziliense

Foto: Reprodução | Facebook

143 visualizações0 comentário