Advogados falam sobre revisão de juros abusivos de contratos de empréstimo ou financiamentos



Nesta quarta-feira (22), a equipe do Sentinela 24H conversou com o Escritório de Advocacia Normey & Amado Advogados para falar sobre revisão de juros abusivos de contratos de empréstimo ou financiamentos.


"Empréstimos e Financiamentos são ferramentas muito utilizadas pela população brasileira e mundial para a aquisição de bens e serviços. Essas modalidades de crédito possibilitam que as pessoas realizem o sonho de adquirir sua casa própria, veículo, pagar uma viagem, etc.


Porém, esse sonho pode virar um pesadelo se a proposta de empréstimo/financiamento não for bem analisada, principalmente em relação aos juros remuneratórios e taxas que o consumidor deverá pagar à instituição financeira.


Para não cair nessa cilada, antes de contratar um empréstimo ou financiamento, é essencial descobrir se os juros e taxas são ou não abusivos.


Para isso, temos a ajuda do Banco Central do Brasil, que todo mês publica a Taxa Média de Juros Remuneratórios para cada modalidade de transação realizada com Pessoas Físicas e Jurídicas, como Financiamento de Veículos, Imóveis, Empréstimos Pessoais, Cheque Especial, etc", afirmou a advogada Carolina Normey.


"Tendo o conhecimento da taxa média de juros remuneratórios, o consumidor estará mais preparado para avaliar qual instituição financeira oferece a melhor forma de pagamento do empréstimo/financiamento.


Ocorre que muitas vezes o consumidor, por falta de informação ou extrema necessidade, acaba firmando contratos de empréstimo ou financiamento com juros e taxas abusivas, sendo obrigado a pagar valores excessivos, que acabam comprometendo sua remuneração por bastante tempo.


A notícia boa é que nem tudo está perdido! Nesses casos, o consumidor deve recorrer à negociação com a Instituição Financeira ou a Revisão Judicial do Contrato, para que seja possível a redução dos Juros Remuneratórios para a taxa média do Banco Central, bem como a exclusão da Capitalização de Juros e Taxas ilegais.", alertou o advogado Felipe Amado.


E-mail: normeyamadoadvogados@gmail.com



572 visualizações0 comentário