Uruguaio que matou Lorena Carrasco é preso em Pelotas


Foi preso no início da tarde deste domingo, 06 de outubro, por volta das 12h, em Pelotas o principal suspeito de ter assassinado brutalmente sua ex-companheiro, Lorena Carrasco de 19 anos.

Carlos Iván Pereira, 25 anos, foi detido por dois dois vigilantes de uma faculdade após tentar se esconder no local. Os seguranças mantiveram o homem detido até a chegada da polícia.

Desde ontem, sábado, a Justiça uruguaia solicitou ajuda da Interpol após câmeras de seguranças da rodoviária de Pelotas flagrarem o homem descendo de um ônibus, da linha Arroio Grande-Pelotas, e circular pelo local.

Embora as causas da morte da jovem ainda não tenham sido confirmadas, o promotor Ramos disse na semana passada que, principalmente, já se podia saber que o corpo apresentava sinais de violência, "especificamente de estrangulamento".

As autoridades uruguaias já solicitaram a extradição do homem tido como principal suspeito do feminicídio. A família da jovem teme pela negação da extradição das autoridades brasileiras e esta organizando uma manifestação nesta segunda-feira em frente ao consulado brasileiro em Río Branco/UY.

O CASO

O desaparecimento da jovem Lorena Carrasco, 19 anos, que mobilizou as redes sociais desde a última segunda-feira, 30 de setembro, quando familiares anunciaram seu desaparecimento chegou ao fim nesta fim nesta quinta-feira. Familiares encontraram o corpo da jovem em uma área próxima a Laguna Merín em Río Branco/UY.

O principal suspeito de ter cometido o suposto feminicídio é o seu ex-companheiro Carlos Ivan Pereira, 26 anos. Lorena havia rompido o relacionamento de 5 anos há cerca de dois meses após uma discussão e estavam vivendo separadamente, mas, estavam se encontrando nas últimas semanas. O casal teve duas filhas, de três e quatro anos, fruto de um relacionamento de cinco anos.

Na segunda-feira, Lorena e sua irmã, Bruna Carrasco, foram até a escola para levar as crianças e quando retornavam Lorena pediu para que a deixasse no meio do caminho. Em entrevista, a irmã não questionou onde Lorena iria, mas esperava encontrá-la, como sempre, no horário de buscar as crianças. Foi a última vez que Bruna viria sua irmã viva.

No mesmo dia em que desapareceu, os familiares registraram seu desaparecimento na polícia uruguaia e no dia seguinte foram à casa de Ivan Pereira que não estava em casa e havia desaparecido. Os familiares foram onde Ivan trabalhava e foram comunicados que o homem saído para almoçar no dia anterior, dia do desaparecimento de Lorena, e que não havia retornado.

Em busca de respostas, os familiares entraram em contato com os parentes de Iván em Arroio Grande na qual havia passado pela cidade na segunda-feira pedindo dinheiro à irmã e, antes da recusa, ele deixou o local. A motocicleta e o capacete do homem foram encontrados em frente a uma casa em Arroio Grande, mas, de acordo com as primeiras investigações, ele não chegou na cidade com ela. A família então iniciou a busca por possíveis locais.

Segundo a irmã de Lorena, uma mulher os contatou dizendo que os tinha visto indo para Laguna Merín. A família e os amigos do casal foram ao local junto com a polícia e começaram uma busca. Na tarde desta quinta-feira, seu corpo foi encontrado em meio a uns arbustos e com sinais de estrangulamento, feito com a alça da bolsa de Lorena.

Fonte: J3 Notícias (Facebook/J3noticiasJaguarao


4,651 visualizações0 comentário