Vítima de apedrejamento afirma que não é prostituta e que autor tem que pagar o vidro de bar


Na noite do sábado (20), o Motoqueiro Verde foi até um bar no bairro Armour, que foi alvo de uma pedrada que atingiu uma mulher na madrugada do mesmo dia. Segundo a proprietária do local e a própria vítima que foi atingida, os dois rapazes entraram no local, e ao sair, um deles atirou uma pedra, do tamanho de um punho contra o vidro, acertado, a esposa de um músico que foi tocar no estabelecimento.

Após procurarmos durante o dia a parte vítima, conseguimos contato com a proprietária que esclareceu que o local não é uma boate e que aguarda que o autor se apresente nesta semana para pagar o prejuízo. Como citado acima, a mulher que recebeu a pedrada, afirmou ter outro emprego fixo, no qual não é ali e apenas acompanhava o marido naquela ocasião, enquanto ele trabalhava.

Na noite anterior, a ROCAM e o sargento auxiliar atenderam a ocorrência, realizando a detenção de dois maiores de idade que procuravam companhia e acabaram adentrando a este estabelecimento, não achando companhia e um deles, atirando um pedra no local.

Preconceito muito além do caso

Neste caso a moça comprovou não ser prostituta. Nas redes sociais o assunto veio a tona, com as profissionais do sexo, que são seguidamente alvos não só de agressão física, mas também psicológica, tanto do lado brasileiro, quanto do lado uruguaio. Em comentários no Facebook, alguns homens e mulheres chegaram a escrever "bem feito", mostrando não aceitar a escolha de vida das garotas de programa, além das piadas com a profissão.

Foto: Motoqueiro Verde


2,577 visualizações

© Copyright 2019 Sentinela 24h. Desenvolvido por Gath Soluções