Outro estudante é investigado por incitar ataque em escola de Suzano


A Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo investigam um aluno de 17 anos, suspeito de incitar o massacre na Escola Raul Brasil, em Suzano, que terminou com a morte de dez pessoas. Este é o início da terceira fase do inquérito criminal, mirando em pessoas que não agiram diretamente, mas teriam dado incentivo, feito apologia ou comemorado o desfecho do crime na Internet.

Segundo as investigações, o estudante teria trocado mensagens por WhatsApp com o jovem que está internado na Fundação Casa - e acusado de ser "mentor intelectual" do massacre -, o que a defesa nega. Nelas, o estudante teria instigado o colega a realizar a chacina.

Na mensagem que chamou a atenção dos investigadores, o jovem teria afirmado que seu sonho era explodir uma bomba na cantina da escola. Em outra, ele foi informado de detalhes de um plano de atacar o colégio.

Chamado a depor, o adolescente negou qualquer intenção de participar do massacre e disse que mantinha conversas com o suspeito para se proteger. A polícia afastou indícios de sua participação após constatar que ele chegou a treinar uma "rota de fuga" no colégio - para o caso de o ataque ocorrer.

Em organograma apresentado nessa quinta-feira pela Polícia Civil e pelo MPE-SP, o estudante aparece classificado como "participação de menor importância". "Descortinamos outro menor, que instigou o menor apreendido", disse o promotor Rafael do Val. "Ele não foi representado e está sendo investigado. Não apresentei à Justiça ainda."

Segundo o delegado Jair Barbosa Ortiz, da seccional de Mogi das Cruzes, a polícia também procura identificar outras pessoas que usaram a internet para fazer apologia ao massacre ou comemorá-lo. "Estamos trabalhando para que ninguém, seja partícipe de maior ou de menor importância, fique sem punição", afirmou. "Ninguém se esconde atrás de rede social."

Armas

Na primeira etapa, a investigação focou em identificar se havia outros participantes, além de G. T. M., de 17 anos, e de Luiz Henrique de Castro, de 25, que morreram no massacre. Depois, a polícia passou a levantar os responsáveis por vender o revólver calibre 38 e munições para os atiradores.

Nesta semana, três homens foram detidos após a Justiça decretar a prisão temporária por 30 dias. Eles são suspeitos de tratar da venda diretamente com G. T. M., por meio de mensagens de celular e de perfis falsos no Facebook. Eles devem responder por homicídio.

Um mecânico, de 47 anos, foi preso em casa, em Suzano, na tarde dessa quarta-feira. Com ele, os policiais apreenderam dois celulares. Ontem, um vigilante foi detido no bairro Jardim Helena, na zona Leste de São Paulo. Ele foi ainda autuado em flagrante por estar de posse de um revólver com numeração raspada e de 14 munições de calibre 38.

O último suspeito foi detido em Heliópolis, na zona Sul da capital. Trata-se de um comerciante, que também acabou autuado em flagrante por receptação, após os agentes que cumpriam o mandado encontrarem com ele um celular que era fruto de roubo. "A relação entre eles ainda está sendo investigada", afirmou o delegado Alexandre Dias, titular da Delegacia de Suzano, responsável pelo inquérito.

Fonte: Correio do Povo

Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil


61 visualizações

© Copyright 2019 Sentinela 24h. Desenvolvido por Gath Soluções