Horário de verão pode ser proibido em todo o país


O horário de verão, marcado para começar no dia 4 de novembro, pode ser extinto neste ano. A proposta de acabar com a mudança de horário, do senador Airton Sandoval (MDB-SP), está em análise na Comissão de Infraestrutura.

O senador questiona a alegação de que, ao se adiantar o horário legal em parte do território nacional, proporciona-se maior aproveitamento da luz solar, o que reduz o uso de energia com iluminação artificial. Para ele, isso não funciona em uma análise econômica mais ampa. Como justificativa do PLS 438/2017, ele cita vários estudos feitos em países diversos que vinculam a adoção do horário de verão com o desenvolvimento de doenças e problemas de saúde, como aumento de infartos do miocárdio, aumento da pressão arterial e agravamento do diabetes mellitus tipo 2, além dos efeitos da privação do sono causada pelo horário de verão.

Neste ano, o horário de verão está previsto para começar um fim de semana após o segundo turno das eleições, marcado para 28 de outubro. Até o ano passado, o início da mudança de horário era em outubro, mas um pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez com que o presidente Michel Temer editasse um decreto alterando para novembro, com intuito de evitar atrasos na apuração dos votos e na divulgação dos resultados do pleito.

O ajuste nos relógios vale para as Regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal) e vigora até 17 de fevereiro do ano que vem.

O projeto será analisado também pelas Comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), cabendo à última a decisão terminativa.


60 visualizações

© Copyright 2019 Sentinela 24h. Desenvolvido por Gath Soluções