O que a polícia diz sobre o suspeito de ter matado Naiara em Caxias do Sul


O homem preso na tarde desta quarta-feira (21) por suspeita de matar a menina Naiara Soares Gomes, de sete anos, que estava desaparecida desde o dia 9 em Caxias do Sul, foi preso temporariamente por um crime anterior: o estupro de uma menina de oito anos, no ano passado.

​Na frente da casa alugada há cerca de seis meses, para onde se mudou com a mulher, no bairro Serrano. Segundo a polícia, foi para essa residência que Naiara foi levada. Na garagem, o suspeito guardava o carro que norteou toda a investigação da Polícia Civil sobre o desaparecimento da menina: um Palio branco.

A polícia informa que o homem trabalhava em uma metalúrgica, no horário noturno. No emprego, mantinha conduta profissional "irrepreensível".

— Era uma pessoa que tinha uma vida muito regrada no tocante ao trabalho, excelente servidor na empresa em que trabalhava. Só a criminologia pode explicar o porquê dele pegar as meninas. São dois casos, mas não descartamos outros. Porém, não chegou nenhum outro relato — disse o delegado regional da Polícia Civil, Paulo Roberto Rosa da Silva.

Cronologia da tragédia

—A menina Naiara Soares Gomes, sete anos, desapareceu no dia 9 deste mês, no caminho para a escola, em Caxias do Sul.

—A criança morava com uma tia paterna no bairro Esplanada ela e dois irmãos, outra menina de 10 anos e um menino de oito, foram acolhidos após a mãe, que vive em Vacaria, perder a guarda dos três.

—Naquele dia, Naiara saiu acompanhada de um primo de 15 anos em direção à Escola Municipal Renato João Cesa, onde estudam, a dois quilômetros de distância da residência.

—Ambos seguiram juntos por uma quadra, onde o rapaz ficou para esperar a namorada que seguiria para outro colégio. A partir dali, Naiara seguiu o caminho sozinha, mas não chegou ao destino e desapareceu.

—Logo nos primeiros de dias de investigação policial, foram divulgadas imagens de câmeras de monitoramento que registraram grande parte do trajeto percorrido pela menina.

— A última imagem captada de Naiara mostra a criança em um ponto da Rua Júlio Calegari, perto da Rua Mozart Perpétuo Monteiro, a 300 metros da escola, atravessando a rua. Eram 7h11min. Depois disso, não havia mais rastros.

—Duas testemunhas ouvidas pela polícia disseram ter visto naquele mesmo ponto a criança perto de um carro branco. A investigação obteve imagens de um veículo dessa cor manobrando de forma suspeita na Rua Mozart Perpétuo Monteiro, mas Naiara não aparecia na cena. Ainda assim, o possível rapto passou a ser a principal linha de investigação.

— Após alguns dias sem novidades, o caso teve desfecho trágico ontem. Após conseguir identificar a placar do veículo, um Palio, a polícia identificou um suspeito. O homem, que teria cerca de 30 anos, já era investigado por um caso de estupro ocorrido em outubro do ano passado.

— Foi em razão desse caso anterior que a polícia cumpriu mandado de prisão temporária do suspeito na casa onde ele mora, no bairro Serrano. Ao ser detido, segundo o delegado regional Paulo da Rosa, o homem admitiu extraoficialmente o rapto e o estupro de Naiara. Ele não teve a identidade divulgada pela polícia.

— O homem disse ter abandonado a criança perto da região da Represa do Faxinal, nas proximidades do distrito de Ana Rech. Ele levou agentes até o local, onde cães farejadores localizaram o corpo de Naiara, por volta das 16h desta quarta-feira.

Fonte: Clic RBS


242 visualizações

© Copyright 2019 Sentinela 24h. Desenvolvido por Gath Soluções