Rodou o mundo da ciência! Primeiro registro ciêntifico de Tarântula comendo uma cobra vem de Livrame


Neste texto escrito por Ryan F. Mandelbaum que escreve para o mundo da ciência, algo histórico para alguém que viaja o mundo comprovando teorias e atrás de flagrantes que possam explicar o modo de vida como ele é. acompanhe a baixo, o que Ryan escreveu sobre o material publicado pelo Herpetology Notes e feito por estudiosos da Universidade Federal de Santa Maria.

Imagine o mais elegante dos jantares. A refeição: uma cobra terrestre. Seu convidado: uma tarântula. Sem a necessidade de talheres, já que sua companhia para o jantar trouxe seus sucos digestivos com ela.

• A seda da aranha é ainda mais incrível do que pensávamos • Cientistas descobriram que teias de aranha têm propriedades que podem manipular som e calor

Este evento aconteceu durante uma tarde, por volta das 13h30 do dia 23 de outubro de 2015, na bela Serra do Caverá, em Santana do Livramento, município do Rio Grande do Sul a 498 quilômetros de Porto Alegre.

Uma equipe de cientistas se deparou com a refeição – uma Erythrolamprus almadensis morta, de 38 cm – se decompondo, com uma rocha que pendia sobre a cobra. Nossa querida convidada, uma grande tarântula Grammostola quirogai, estava sobre a presa, transformando o corpo da serpente em gosma com seu sistema digestivo externo.

É essa a história contada em uma pesquisa publicada no mês passado no periódico Herpetology Notes e noticiado pelo Live Science. Os cientistas mantiveram o cadáver da serpente.

Resultado da refeição da nossa amiga aranha. Imagem: Conrado Mario da Rosa.

As tarântulas ingerem muitas coisas grandes, e cientistas já as forçaram a comer cobras em cativeiro anteriormente. Eles viram outras aranhas comendo serpentes, também, como neste exemplo, na África do Sul. Mas, de acordo com o conhecimento de Leandro Malta Borges, autor da pesquisa, esta é a primeira vez que alguém observou isso acontecendo em um espaço aberto na natureza.

Borges, principal responsável pelo estudo e estudante de graduação na Universidade Federal de Santa Maria, já está acostumado a ver os jantares mais horríveis que possam ser imaginados.

Encontrei seu nome em outras publicações na Herpetology Notes, sua fonte número um para artigos científicos de livre acesso sobre insetos comendo lagartos e anfíbios. Abaixo, você pode ver outro cenário que Borges teve o privilégio de estudar: a aranha Aglaoctenus oblongus mastigando uma perereca.

Veja a imagem de Conrado Mario da Rosa, o fato que para o cientista é o primeiro registro na história


854 visualizações

© Copyright 2019 Sentinela 24h. Desenvolvido por Gath Soluções